Cá entre Nós…

Psicologia no dia a dia

24 de setembro de 2015 Reflexões

O que você provoca no outro?

Que tipo de pessoas você “atrai”? Como costumam reagir a você? Mandões, passivos, manhosos, irônicos, preguiçosos, sonhadores, apressados, irritados, dependentes, rígidos, frios, sentimentais… O que você provoca no outro? É no mínimo interessante como parece que certo tipo de pessoas e reações nos persegue. Quando pensamos nisso, nosso primeiro impulso é colocar a responsabilidade fora de nós… Como se por uma perseguição do destino ou por uma aleatoriedade inexplicável magnetizássemos uma categoria distinta de relacionamentos. Pois é, mas a verdade é que estamos muito mais coniventes com tudo isso do que imaginamos!

Aquilo que nós somos acaba provocando certas reações naqueles que convivem conosco. Há algumas dessas consequências que são óbvias, outras nem tanto. Vamos falar hoje destas últimas. Por exemplo, alguém extremamente altruísta tem o poder de produzir pessoas egoístas ao seu redor. Pense em alguém que está sempre disponível para o outro, abrindo mão de si em prol do próximo… Agora observe se não há pessoas da convivência dela que parecem assumir a postura oposta e aos nossos olhos “apenas se aproveitam insensivelmente do (a) coitadinho (a)”. Às vezes fazemos tanto pelo outro que não oferecemos a oportunidade de ele ter necessidades, buscar satisfazê-las e crescer. Cabe aqui a intrigante afirmação cristã de amar o próximo como a nós mesmos – nem mais, nem menos!

Assim como o altruísmo desmedido, há outras posturas que suscitam reações aparentemente opostas. Como um casal em que um é extremamente frio e racional e o outro é absolutamente sentimental e carinhoso. Quanto mais um puxa para um polo, mais o outro equilibra estirando para o outro… Em vez de andarem juntos para o mesmo objetivo, disputam num cabo de guerra! O mesmo podemos dizer para cuidadores e doentes, passivos e ansiosos, pacificadores e contestadores etc. Além de atentarmos para o quê em nós gera o quê no outro, há um detalhe muito importante! Se provocamos certas reações no outro, esse comportamento que o outro dirige a nós satisfaz alguma necessidade nossa. Sim! Provocamos por precisar disso!

Tente pensar em tipos de pessoas e reações que sempre estão por perto de você. Para quê você precisa disso? Qual a função que isso tem na sua vida hoje? O que você faz que acaba alimentando isso? Muitas vezes precisamos nos sentir como os “salvadores”, ou nos sentimos amados quando cuidados, ou o outro supre uma habilidade social que não temos (fala por nós, reivindica, escolhe), podemos nos sentir seguros por saber que o outro depende de nós… Enfim, faça uma consulta sincera a você e procure descobrir a função de tudo isso na sua vida hoje e se faz sentido manter as coisas como estão. Daí a importância da atualização constante de quem nós somos. Permita-se se conhecer! Qual é a nossa responsabilidade na forma como as pessoas se relacionam conosco? Como você se escolhe a partir de agora nas suas relações?

Leave a comment

*