Cá entre Nós…

Psicologia no dia a dia

25 de junho de 2012 Reflexões

Mas por que eu agi assim???

          Você já se surpreendeu com você mesmo? Sabe aquela sensação de que uma parte desconhecida de você, que vai contra tudo o que você acredita e é, aparece de repente e meio descontrolada? E depois a gente fica pensando: “Ai! Quando eu vi, já tinha feito…”. Por que isso acontece? De onde vem esse “eu secreto” que volta e meia nos visita?

          Bem, para entendermos um pouco melhor nosso funcionamento interno, vamos dar um mergulho em nós mesmos e abordar um assunto interessantíssimo, que adoro: Polaridades. Digamos, de uma forma bem simplificada, que cada um de nós tem um conjunto de características, conceitos e sentimentos que se entrelaçam, interagem e dão sentido ao que somos neste momento. Alguns destes aspectos de nós se combinam e se confirmam e outros parecem ser opostos entre si. A estes últimos chamaremos de polaridades.

          Podemos ter, por exemplo, as características polares de sensibilidade e agressividade… Gosto muito do exemplo de um personagem bíblico que todos conhecem, o rei Davi. Davi tinha a sensibilidade de um poeta e a agressividade de um guerreiro. Tudo junto, em uma pessoa só! O que, ao contrário de gerar uma ruptura em sua personalidade, dava criatividade e um maior leque de possibilidades de respostas diante da vida. Quem conhece sua história sabe que na sua primeira batalha, contra o gigante, Davi teve a sensibilidade de perceber suas habilidades e inovar transformando um utensílio que usava como pastor de ovelhas numa arma de guerra. Ele integrou seus dois lados aparentemente opostos! Da mesma forma, as nossas polaridades não excluem uma a outra, pelo contrário, quando conseguimos conhecer e aceitar como nossos os dois lados, temos uma janela ampla de respostas possíveis diante da vida. É como se conseguíssemos passear nas possibilidades entre um pólo e outro, sem dar sempre respostas extremistas.

          O problema é que às vezes é complicado aceitar todos os lados de nós mesmos… Parece que para sermos calmos não podemos nunca sentir raiva, para sermos seguros não podemos ser sentimentais, para sermos amáveis não podemos ser frios, para sermos adultos não podemos ser infantis… E acabamos excluindo partes de nós mesmos, que não aceitamos ou simplesmente não percebemos. Vamos observar o círculo abaixo:

          Esse círculo representa uma pessoa. Nas extremidades das setas estão algumas de suas características polares. A parte azul mais claro representa os aspectos dela que a própria conhece. A parte azul escuro representa a sua “sombra”, aquela parte dela mesma que ela não percebe. Podemos supor que uma pessoa assim se julgue muito assertiva, controlada, segura, produtiva e não se dê conta do seu lado sensível, inseguro, vulnerável… Assim, pode ser que em algum momento esse lado da sombra apareça meio descontrolado. Como aquelas pessoas que falam o que querem para todo mundo e quando recebem alguma crítica sobre si desabam num choro incontrolável, sentindo-se a pior das criaturas… O oposto também pode acontecer. Vamos imaginar que uma pessoa aprendeu que tem que ser delicada, gentil e que sentir raiva é feio. Ela pode ser a pessoa mais controlada e paciente do mundo, compreensiva, mas quando a raiva bate forte… Sai de baixo! Fala o que não devia, faz o que não podia… Explode! E quando se dá conta, o estrago está feito…

          Já aconteceu com você? É como se entrasse em ação uma parte de nós que não conhecemos, que não temos domínio. E realmente não conhecemos! Quando essas coisas “estranhas” acontecem conosco, são partes da nossa sombra que vem à tona.

          Então, o que eu faço com isso? Precisamos dar atenção à essas nossas partes “fantasmas” que surgem de repente. Geralmente são aspectos nossos que achamos feios, não aprovamos, aprendemos que não devemos ter… Então, ficamos rígidos do outro lado, no outro polo. Como se fossemos somente daquela forma e só sabemos lidar com a vida do mesmo modo sempre. Você já percebeu que essas características que aparecem meio fora de controle são aparentemente opostas a características nossas muito marcantes? Parece que só sabemos agir num extremo ou no outro. Preste atenção nas suas características mais fortes e busque perceber onde está sua outra “polaridade”.

          Conhecer e integrar as nossas polaridades trazem criatividade para o nosso dia-a-dia. Olhando o desenho acima, é como se parássemos de agir apenas nos extremos das setinhas e começássemos a transitar livremente percorrendo a linha entre uma e outra… Conseguimos graduar mais adequadamente as nossas respostas e ganhamos mais flexibilidade diante das situações.

          Daí, a importância de investirmos no nosso auto-conhecimento. Precisamos vasculhar aquelas partes ocultas de nós mesmos… Aquelas áreas que não aprovamos… Entrar em contato com nosso processo de guardar segredo de nós mesmos… Quanto mais nos conhecemos, mais confortáveis nos sentimos conosco mesmos. Geralmente nossas áreas intocadas guardam tesouros inimagináveis… Invista em você! Descubra novas formas de ser!

          No próximo post vamos falar de como as polaridades são essenciais nos nossos relacionamentos e na escolha dos nossos parceiros. Já que nossa primeira conversa foi sobre relacionamento interpessoal e este texto foca o intrapessoal, vamos integrar essas 2 polaridades e ver o que pode surgir de criativo nessa experiência…

          Até a próxima!

PS: É importante lembrar que somos muito mais complexos que esta breve reflexão… Esta é uma forma simplificada que visa aproximar conteúdos teóricos da psicologia ao nosso dia-a-dia.

Bibliografia:

Zinker, J. Processo Criativo em Gestalt-terapia. São Paulo: Summus Editorial, 2007.

8 to “Mas por que eu agi assim???”

  1. valeria says...

    eu entendi,só me parece que ando mio que sabotando esse outro lado. Me recusando acreditar ser tão diferente em algumas situações

  2. Rosane de Paiva Ferreira says...

    Hoje mesmo reagi com meu outro lado e achei que deveria ser punida por isso.
    Ai meu Deus… como tenho sido orientada e estimulada a me conhecer mais e mais.
    Obrigada por esse blog Senhor!
    Continue inspirando minha amada irmã em nome de Jesus! Amém!

  3. Verônica Gonçalves says...

    Como algumas amigas falam: Muito Eu, rsrsrsrsrsrrs
    Eu era assim mesma, mas, graças a Deus e a vc tudo mudou!!! Já tive momentos q precisei falar mais sério, porém não descontroladamente!!! Realmente, hj sou mais flexivel!!!
    Bjus da V

  4. Luiz Ribeiro says...

    Muito bom texto!
    E dá pra ter uma idéia da constante complexidade mutante que nós somos…
    Bjsss

  5. Ana Paula Medeiros says...

    Gostei bastante, Gabi!

    Muito bom o jeito que vc escreve, tem conteúdo e, ao mesmo tempo, é fácil de entender! :)

    Beijos

Leave a comment

*